terça-feira, 15 de junho de 2010

A tradição Nordeste

A classificação dos registros rupestres em Tradição Nordeste é uma definição criada por Niède Guidon, para aos grafismos característicos da região do Parque Nacional Serra da Capivara, no estado do Piauí. Naquele existem hoje catalogados mais ou menos 370 abrigos sob rocha que foram “decorados” com pinturas e gravuras rupestres por milênios, contudo a concentração de sítios com pinturas são maioria. A nomenclatura Tradição Nordeste foi homenageando a região brasileira, devido à maior concentração de registros rupestres. Porém, aparecem noutras regiões do Brasil os mesmos tipos. Não deixa de ser uma supervalorização dos estudos naquele estado.
São definidas de Nordestes as figuras esquemáticas e emblemáticas de antropomorfos, zoomorfos e fitomorfos que apresentam a ideia de movimento, como se as representações estivessem numa intensa mobilidade.


Cena de uma possível caçada ao tatu. Sítio Boqueirão da Pedra Furada, PI.

A tradição Nordeste foi a mais representada, caracterizando-se pela presença de figuras humanas e de animais, bem como de objetos e plantas. Essas figuras compõem ações que se referem a técnicas de subsistência, atividades cotidianas e cerimoniais. [...] A tradição Nordeste tem a peculiaridade de ser extremamente narrativa, com a representação de diferentes aspectos da vida cotidiana do grupo que a elaborou. As pinturas indicam que caçavam com diversos instrumentos: o veado era perseguido com tacapes, a onça era atacada utilizando-se propulsores e azagaias, o tatu era caçado a mão e abatido com golpes de tacape ou pego pelo rabo. Não existe nenhuma indicação de uso de arco e flechas, [...]. Foram também representados vários ornamentos relacionados com ritos de hierarquia. São cocares e máscaras que aparecem em cenas em que as pessoas estão dançando. (GASPAR, 2003)

Os arqueólogos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Fundação Museu do Homem Americano (FUMDHAM) têm realizado um trabalho sistemático sobre os registros rupestres espalhados pelo Nordeste brasileiro, até o momento todos são unânimes na aceitação de que a Tradição Nordeste representa uma primeira pré-escrita ou forma de comunicação que dá preferência a narratividade das cenas cotidianas dos grupos étnicos que habitaram o Nordeste do Brasil. Outra característica dos registros rupestres encontrados na região Nordeste é a preferência na representação de antropomorfos, no Velho Mundo, por exemplo, a prioridade da arte rupestre são os zoomorfos.


Possíveis representações de cópula sexual. Sítio Boqueirão da Pedra Furada, PI.

A tradição de pintura chamada Nordeste é a mais representada e se caracteriza pela presença, em proporções praticamente iguais, de figuras humanas e animais; as representações de objetos e plantas são menos freqüentes. Os grafismos puros, aqueles desprovidos de traços que permitam identificá-los com uma representação material de nosso universo sensível, são minoritários. O traço marcante da tradição é o fato de que esses grafismos podem estar agenciados, representando ações. Os temas dessas ações podem ser reconhecidos, na maioria dos casos, estando ligados a técnicas de subsistência e atividades cotidianas ou cerimoniais. [...] O apogeu das obras rupestres da tradição Nordeste ocorre por volta de 10 mil anos atrás, coincidindo com o mais alto grau da qualidade técnica da indústria de pedra lascada na região. A evolução do primeiro período se manifesta em uma diversificação temática e em uma complexidade dos agenciamentos na representação de ações. [...] assim, no primeiro período, as representações de atividades de caça comportam duas figuras, o caçador e o animal, e as representações sexuais têm dois parceiros; ao passo que, no apogeu da tradição, esses mesmos temas são representados com a participação de um maior número de pessoas. (PESSIS; GUIDON, 1992)


Para a comunidade científica do sul do país, sobretudo, de Minas Gerais e São Paulo, a antiguidade dos grafismos da Tradição Nordeste são muito questionadas devido a sua datação ser muito remota em comparação com as demais tradições que são encontradas no interior do Brasil. Porém, sobre a representatividade e funcionalidade dos grafismos rupestres desta tradição são consensuais.


Cervídeos em movimento, provavelmente sendo caçados visto que os antropomorfos estão carregando propulsores. Sítio Toca do Pajaú, PI.

Encontram-se cenas de sexo (cópula em várias posições, masturbação), de execução, de caça e de rituais ao redor de uma árvore. Algumas dessas cenas estão sendo interpretadas por alguns pesquisadores à luz dos rituais dos atuais índios Fulnió: a árvore poderia ser a Jurema, que fornece uma substância alucinógena; as cenas de “masturbação” seriam, na verdade, flagelação ritual do pênis com uma planta urticante etc. As representações zoomorfas incluem um grande número de emas e de cervídeos, isolados ou correndo em bando; em alguns abrigos aparecem porcos-do-mato, quatis e até caranguejos de água doce. A tradição Nordeste estendeu-se num vasto território que vai do sul do Piauí até o Mato Grosso, passando por Goiás, infiltrando-se tardiamente me parte do território mineiro. A oeste, chega até o pé dos Andes – na Bolívia, no Peru e na Colômbia Meridional. (PROUS, 2007)


A região Amazônica apresenta muitos registros rupestres, contudo, as pesquisas naquela região ainda são preliminares e estão no início, visto que a região da Amazônia compreende a maior área geográfica do país.
Admite-se que as primeiras manifestações da Tradição Nordeste iniciaram-se por volta de 12.000 anos antes do presente e pararam de ser representadas por volta de 7 – 6.000 anos atrás. Com a interrupção dos registros rupestres da Tradição Nordeste surge às primeiras manifestações da Tradição Agreste.

8 comentários:

  1. Parabéns pelo trabalho, a arqueologia no Brasil merece ser muito valorizada e ter incentivo do governo.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Edmilson. Tenho um sonho de ser arqueólogo, enquanto não o realizo, tento dar minha contribuição para preservação do Patrimônio Histórico da Humanidade.
    Obrigado por visitar meu blog.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom mesmo .
    Me ajudou muito no artigo que
    eu estou fazendo sobre a arte rupestre (;

    ResponderExcluir
  4. O professor burro viu !

    ResponderExcluir
  5. Respeito sua opinião, seu ponto de vista e quiçá seu conhecimento vastíssimo na área. Só não compreendo as ofensas, isso é típico de seres impudicos, indecorosos, desonestos e levianos. Quando escrevo meus textos estou passível de criticas e elogios, mas o que você fez me ofendendo foi o primeiro. Eu mostro a minha face e meu nome, mas você se esconde. Quem é que possui idoneidade entre nós dois?
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. eu goste muito desse site

    ResponderExcluir
  7. Liga não mestre, o importante é você continuar colaborando com a Arqueologia. Você esta muito à frente desse tipo de verme, não olhe para trás, siga em frente porque pessoas estão precisando dessas suas importantes colaborações. Abraços!!!!!

    ResponderExcluir